Ernesto Veiga de Oliveira (1910/1990)


Fotografado por Valente Alves


Ernesto Veiga de Oliveira nasceu na Foz do Douro (Porto) em 1910 oriundo pelos quatro costados de famílias nortenhas - do Minho, de Trás-os-Montes, Douro Litoral, e até da Galiza, mas de vivência, educação e hábitos cosmopolitas. Fez o liceu na sua cidade natal, e formou-se em Direito em 1932 - e mais tarde, em 1947, em Ciências Históricas e Filosóficas - em Coimbra. Advogou durante dois anos, mas em breve se compenetrou do seu desajustamento irredutível a qualquer profissão que não viesse ao encontro do que para ele eram os valores essenciais do Homem e contrariasse a livre expansão da sua personalidade; e após sucessivas experiências, ingressa, em 1944, no funcionalismo público. Um versejar juvenil, de fôlego curto; um filosofar fora de escolas; um panteísmo sem deuses - e, a par disso, uma grande independência de espírito, de atitudes, de credos; e o imperativo da verdade, da liberdade, da mais límpida simplicidade -, modelariam o seu pensar, a sua visão do mundo, e a sua maneira autêntica de estar na vida. E aflorariam também num profundo amor pelo povo e no apelo das paisagens e das coisas naturais, que o levariam a calcorrear, a pé, extensas regiões do Pais-uma terra ainda fora do presente, virgem de estradas, de turismo, de poluições: o litoral, do rio Minho ao Tejo; as praias desertas do Algarve; as remotas áreas fronteiriças de Castro Laboreiro ao Gerês e Larouco; a Terra Fria transmontana, de bravios, estevas e lobos; as serras e os rios - atardando-se nas aldeias, empapando-se da sua cultura e assimilando-a. em longa vivência contemplativa participante.

Em 1932 situa-se o seu encontro com Jorge Dias, a quem fica ligado até ao fim por uma profunda e inalterável amizade, feita de entendimento, admiração e confiança; e passam a ser companheiros certos dessas andanças pelo País e dialogantes de todas as aventuras do espírito, juntamente com Fernando Galhano, amigo de longa data, com Margot Dias, e com Benjamim Pereira, que conhece mais tarde. E são finalmente esses elementos que em 1947 o grande mestre chama para formar o grupo pioneiro que deu corpo ao Centro de Estudos de Etnologia, que iria levar a cabo a renovação dos estudos etnográficos em Portugal. Demitiu-se então das suas funções burocráticas, e abraça - definitivamente e profissionalmente - a carreira de investigação cientifica. A partir dessa data, a sua vida identifica-se com os trabalhos desse Centro, e seguidamente, a partir de 1963, também com os do Centro de Antropologia Cultural e sobretudo do Museu de Etnologia, criado segundo uma concepção inovadora da museologia, que restará como a expressão mais acabada da sua obra.

Em 1965 é nomeado subdirector do Museu de Etnologia e, de 1973 em diante após o falecimento de Jorge Dias, toma a direcção do Centro de Estudos de Antropologia Cultural e do Museu de Etnologia, mantendo-se nesse posto até 1980, data da sua aposentação. Naquela mesma ocasião, assumiu a direcção do Centro de Estudos de Etnologia, que ainda conserva.

Em 1984 a Universidade de Évora confere-lhe o titulo de Doutor Honoris Causa. De 1973 a 1978 integrou o corpo redactorial da Revista Ethnologia Europaea.

Fez parte do International Secretariat for Research on the History of Agricultural Implements.

Bibliografia


Estudos Gerais

1. «Trabalhos Colectivos Gratuitos e Recíprocos,»-Revista de Antropologia-111-1 São Paulo 1955, 21-43.
2. «Indivíduo e Sociedade», Colóquios sobre Metodologia das Ciências Sociais, Lisboa, 1958, 29-47.
3. «As orientações funcionalistas nos estudos de cultura». Idem. 153-174.
4. «Aspectos do compadrio em Portugal„-Actas do 111 Colóquio Internacional de Estudos Luso-Brasileiros, I, Lisboa, 1959, 154-169.
5. «Unidade e diversidade da cultura portuguesa», Cultura e Arte-O Comércio do Porto. Porto, 9.ó. 1959.
6. «A Cultura Castreja e a sua Herança Social na Área Galaico-Portuguesa - Relatório» - Actas do XXVI Congresso Luso-Espanhol para o Progresso das Ciências, Tomo II, Porto. 1962, 1-6. (Em col. com Jorge Dias).
7. «Princípios basilares das ciências etnológicas»-Cadernos de Etnografia 3, Barcelos 1965. 32 pp.
8. «Rocha Peixoto e a Etnologia» - Boletim da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim V-2, Póvoa de Varzim, 1966, 165-214.
9. «Trabalhos Colectivos» -Dicionário de História de Portugal, IV, Lisboa, 1971.
10. «Rio de Onor 1974» In Memoriam António Jorge Dias, III, Lisboa, 1974. 285-305, (Em col. com Fernando Galhano e Benjamim Pereira).
11. Lição Doutoral-Doutoramento «Honoris causa» de Ernesto Veiga de Oliveira-Universidade de Évora, 1984. 19-35.
12. «Migrações temporárias e estacionais - Barrosões no Alentejo» - Estudos em Homenagem a Mariano Feio, Lisboa, 1986, 541-563. (Em col. com Benjamim Pereira e Fernando Galhano).

Arquitectura

13. «Casas da Maia»-Trabalhos de Antropologia e Etnologia, XV, 1-2, Porto, 1954, 55-72. (Em col. com Fernando Galhano).
14. «Casas de Esposende»-Trabalhos de Antropologia e Etnologia, XV. 1-2, Porto. 1954. 73-84. (Em col. com Fernando Galhano).
15. «Casas da Murtosa»-Trabalhos de Antropologia e Etnologia, XV, 3-4, Porto, 1955-56, 265-285, 7 fig. (Em col. com Fernando Galhano).
16. «Um tipo de casa rural dos arredores do Porto»-Douro Litoral 7ª serie, VIII-VIII, Porto, 1956. 727-748, 13 des. 6 fig. (Em col. com Fernando Galhano).
17. «Velhas Casas do Porto» -Jornal de Turismo- 1-2 Porto, 1957.
18. «Àcerca das origens da casa estreita e alta portuguesa - Cultura e Arte/O Comércio do Porto. Porto, 9.1X. 1958.
19. «Ainda àcerca das origens da casa estreita e alta portuguesa» -Cultura e Arte/O Comércio do Porto. Porto, 28.X.1958.
20. «A casa esguia e alta do Porto» -Cultura e Arte/O Comércio do Porto. Porto. 25.XI. 1958.
21. Casas do Porto» -Douro Litoral, 8ª serie, VII-VIII, Porto, 1958, 637-673. (Em col. com Fernando Galhano).
22. «Alguns elementos das casas de Matosinhos, Maia e Vila do Conde»-Boletim da Biblioteca Pública de Matosinhos, Nº 5, Matosinhos, 1-19. (Em col. com Fernando Galhano).
23. «A Região e a Casa Gandaresa» - Trabalhos de Antropologia e Etnologia, vol. XVII (Homenagem ao Professor Doutor Mendes Corrêa), Porto, 1959, 417-443, 4 desenhos. (Em col. com Jorge Dias e Fernando Galhano).
24. «Telhados do Porto» - Douro Litoral, Nona série, II, Porto, 1959. 217-228, 7 des. (Em col. com Fernando Galhano)
25. «Arquitectura» - A Arte Popular em Portugal, I (1960). (Em col. com Fernando Galhano).
26. «Sistemas de construção com madeira e matenais leves. Um tipo de 'Fachwerk' em Portugal» - Trabalhos de Antropologia e Etnologia, XVIII 3-4, Porto 1961, 347-353, 3 fig.
27. «Casas esguias do Porto e sobrados do Recife» - Trabalhos de Antropologia e Etnologia, XVIII 3-4, Porto 1961 / 62, 175-227, 12 figs. (Em col. com Fernando Galhano).
28. «Casas da zona central do litoral português» - Trabalhos de Antropologia e Etnologia, XV111, 3-4, Porto 1961 / 62, 229-255. (Em col. com Fernando Galhano).
29. «Casas da zona central do litoral português» - Trabalhos de Antropologia e Etnologia, XV111, 3-4, Porto 1961 / 62, 229-255. (Em col. com Fernando Galhano).
30. «Casas» - Dicionário de História de Portugal, I, Lisboa, 1963.
31. «Palheiros e Barracos do Litoral»-Geographica, 3, Lisboa, 1964, 43-64.
32. «Palheiros do Litoral Central Português», Lisboa (IAC) 1964, 133 pp., 27 des. 75 figs. (Em col. com Fernando Galhano)
33. «Construções em falsa cúpula»-Geographica, 16, Lisboa, 1968, 64-79, 14 fig.
34. «Construções primitivas em Portugal, Lisboa, (IAC), 1969, 363 pp. 459 figs. (Em col. com Fernando Galhano e Benjamim Pereira).
35. «Persistência e evolução da habitação» -Associação Portuguesa para o Progresso das Ciências, Colóquio 2, Tomo III, Actas do XXIX Congresso Luso-Espanhol para o Progresso das Ciências, 1970. 149-167.
36. «Palheiros do Litoral Central», Ovar e o seu concelho, Ovar, 1985, 165-178.

Mobiliário

37. «Mobiliário» -A Arte Popular em Portugal, I, s/d (1960). (Em col. com Fernando Galhano).

Tecnologia tradicional

38. «A apanha do sargaço no Norte de Portugal» - Trabalhos de Antropologia e Etnologia, XVI - 1-4, Porto, 1958. 63-170, 36 fig. 29 des. (Em col. com Fernando Galhano)
39. «Espigueiros portugueses. A problemática dos espigueiros», -XXVI Congresso Luso-Espanhol para o Progresso das Ciências, Madrid, 1958. (Em col. com Fernando Galhano)
40. Sistemas Primitivos de Moagem em Portugal-Moinhos, Azenhas e Atafonas - 1. Moinhos de Água e Azenhas, CEEP (IAC), Porto, 1959, 99 pp. 12 figs., 66 desenhos. (Em col. com Jorge Dias e Fernando Galhano)
41. Sistemas Primitivos de Moagem em Portugal-Moinhos, Azenhas e Atafonas - I. Moinhos de Vento, CEEP (IAC), Porto, 1959, 94 pp. 24 figs., 64 desenhos. (Em col. com Jorge Dias e Fernando Galhano)
42. «Pisões Portugueses»-Trabalhos de Antropologia e Etnologia, XVIII-1-2, Porto, 1960 / 61. 63-120, 14 des. (Em col. com Fernando Galhano)
43. Sistemas Primitivos de Secagem e Armazenagem de Produtos Agrícolas-Os Espigueiros Portugueses, Porto, (IAC), 1963, 291 pp., 145 figs., 72 desenhos, 2 mapas. (Em col. com Jorge Dias e Fernando Galhano)
44. Moinhos de Vento. Açores e Porto Santo, Lisboa (IAC), 1965. 117 pp., 31 desenhos 105 figs. (Em col. com Fernando Galhano e Benjamim Pereira)
45. «Espigueiro» -Dicionário de História de Portugal, II, Lisboa, 1965.
46. «Pisão» -Dicionário de História de Portugal, III, Lisboa, 1968
47. «Moinhos de Água em Portugal»-Geographica. 9. Lisboa 1967. 48-69. 19 fig.
48. «Attelage des boeufs au Portugal, -Bulletin d'Ethnographie Tchecoslovaque, III-IV, Brno, 1969, 55-76. (Em col. com Fernando Galhano e Benjamim Pereira)
49. «Sistemas primitivos de secagem e armazenagem»`-Dicionário de História de Portugal, IV. Lisboa, 197 1.
50. Sistemas de atrelagem dos bois em Portugal, Lisboa (IAC) 1973, 124 pp. 150 fig. 37 des. (Em col. com Fernando Galhano e Benjamim Pereira)
51. Actividades agro-marítimas em Portugal. Lisboa (IAC) 1975, 236 pp., 216 fig. (Em col. com Fernando Galhano e Benjamim Pereira)
52. Alfaia Agrícola Portuguesa, Lisboa, (IAC), 1976, 396 pp. 259 des. e 70 fotog., 2ª ed., (INIC), 1983. (Em col. com Fernando Galhano e Benjamim Pereira)
53. Tecnologia Tradicional - Pisões Portugueses, Lisboa (INIC) 1977, 70 pp., 14 des. 18 fotog. (Em col. com Fernando Galhano)
54. Tecnologia Tradicional - O Linho, Lisboa, (INIC) 1978, 246 pp. 122 des. 121 fotog. (Em col. com Fernando Galhano e Benjamim Pereira)
55. «Tangfischerei bei Castelo do Neiva» Institut für den Wissenschaftlichen Film. Sektion Ethnologie. Série 8. Número 2. Göttingen 1978.
56. «Dreschen und Dreschbrauch in Tecla» Institut für den Wissenschaplichen Film. Seition Ethnologie. Série 9. Número 37. Göttingen 1979.
57. «Tuckwalken in Tabuadela» Institut für den Wissenschaftlichen Film. Sektion Ethnologie. Série 10. Número 7. Götlingen 1980.
58. «Fischerei mit dem Zugnetz in Torreira>, Institut für den Wissenschafllichen Film. Sektion Ethnologie. Série 11. Número 26. Göttingen 1981.
59. «Fischen von Wasserpflanzen in der Ria de Aveiro» Institut fiir den Wissenschaftlichen Film. Sektion Ethnologie. Série 12.
60. Tecnologia Tradicional Portuguesa - Sistemas de Moagem - Lisboa, (INIC), 1983, 520 pp., 491 fig. 246 des. (Em col. com Fernando Galhano e Benjamim Pereira)
61. Olaria em Malhada Sorda, Museu de Olaria, Barcelos. 1984. 5-9.
62. Os Jugos Portugueses-A canga vareira (Comissão Municipal de Turismo de Ovar) 1985, 12 pp.
63. Tecnologia Tradicional Agrícola dos Açores, Lisboa (INIC), 1987, 94 pp., 148 figs. e 43 des. (Em col. com Benjamim Pereira)
64. Os arados portugueses», Livro de homenagem a Orlando Ribeiro, 2º vol. Lisboa, 1988, 259-280, 5 des. 6 fotog. (Em col. com Fernando Galhano e Benjamim Pereira)

Vindicta popular

65. «Formas fundamentais da vindicta popular em Portugal» Cultura e Arte / O Comércio do Porto. Porto. 10.III.1959
66. Id. «2. Pulhas e Testamentos», Cultura e Arte/ O Comércio do Porto. Porto, 22.X//./959
67. Id. «3. Testamentos e formas avulsas» . Cultura e Arte / O Comércio do Porto. Porto, 8.III. 1960
68. Id. «4. Casos avuisos e especiais». Cultura e Arte / O Comércio do Porto. Porto. 26.1V. 1960
69. «Considerações àcerca de ‘Juegos de escarnio' espanhois» . Cultura e Arte / O Comércio do Porto. Porto, 12.VII. 1960

Festividades cíclicas

70. «O Entrudo»-Douro Litoral, 4,a Série, IX-Porto, 1952. 41-46.
71. «A Queima do Judas» -Terra Lusa nº 3, Lisboa 1952. 83-88, 4 figs.
72. «A palha do Natal no concelho de Vila do Conde» - Trabalhos de Antropologia e Etnologia XV. 1-2. Porto, 1954, 107-110.
73. «Subsidios para o estudo do Entrudo em Portugal-O Enterro do João» - Douro Litoral, 7ª Série. VII-VIII, Porto 1956, 601-700.
74. «Manjares Cerimoniais do Entrudo em Portugal» - Actas do XXIII Congresso Luso-Espanhol para o Progresso das Ciências. Coimbra 1956. 299-310
75. «‘Folares' ct Oeufs de Pâques au Portugal» -Schweizerisches Archiv für Volkskunde, 53, Fasc. 2-3 Basel 1957, 151-156
76. «A Quinta-Feira de Ascensão em Portugal» - Trabalhos de Antropologia e Etnologia XV, 3-4, Porto, 1957. 288-293
77. «O Primeiro de Maio, As 'Maias' e os 'Maios'-Cultura e Arte / O Comércio do Porto, Porto, 13.V. 1958.
78. «O Primeiro de Maio, Manjares Cerimoniais» -Cultura e Arte / O Comércio do Porto. Porto, 10.III. 1958.
79. «Formas alimentares do S. João» - Cultura e Arte / O Comércio do Porto. Porto. 8.VII. 1958.
80. «O Entrudo em Portugal» - Cultura e Arte / O Comércio do Porto. Porto, 13.XI. 1960.
81. «Manjares e refeições cerimoniais em Portugal - Todos-os-Santos e Fiéis Defuntos» - Estudos e Ensaios folclóricos em homenagem a Renato de Almeida, Rio de Janeiro 1960, 345-365.
82. «O Culto dos Mortos no Natal» - Céltica, Porto 1960. 73-74.

83. «O S. Martinho em Portugal» - Actas do I Congresso de Etnografia e Folclore, II, Braga 1956. Lisboa, Biblioteca Social e Corporativa, 1963, 165-173.
84. « 0 São João em Portugal» - Revista de Etnografia. n.• 9, Porto 1965, 36-112, 8 figs.
85. «Festividades cíclicas» - Dicionário de História de Portugal, II, Lisboa, 1965
86. «Le culte de Saint Martin en Portugal»,-Revista de Etnografia, X-2, Porto 1968, 313-328.
87. Festividades cíclicas em Portugal (col. Portugal de Perto-Dom Quixote) Lisboa. 1984. 357 pp. 39 figs. 88. As Festas-Passeio pelo Calendário, Lisboa (FCG) 1987, 34 pp.

Romarias

89. «Roubo Ritual»-Boletin de la Comision Provincial de Monumentos Históricos y Artisticos de Orense, XX. 14, Orense 1960
90. «Les Romarias» - Portugal 1965, 135-143, 7 fig.
91. «Romaria» - Dicionário da História de Portugal, III, Lisboa, 1968
92. «A Romaria de S. Bartolomeu do Mar» - Geographica, Revista da Sociedade de Geografia de Lisboa, VII-26, Lisboa 1971, 42-59, 13 fig.
93. «A Romaria de S. João de Arga» -idem, VII-28, 1971, 2-18, fig. 13
94. «Kirchfest 'Romaria' von S. Banolomeu do Mar» - Encyclopedia Cinematographica, E 1889 1973. Göttingen 1974.
95. «Kirchfest 'Romaria'» von S. João d'Arga (Minho)-Institut fur den Wissenschafilichen Film. Settion Ethnologie. Série 8. Número 1. GÔningen 1978.
96. «Kirchfest 'Romaria' von Salvador do Mundo» Ponaga. Série 9. Número 18. Göttingen 1979.
97. «Stierkampf in Forcalhos» Institut fur den Wissenschafilichen Film. Settion Ethnologie. Série 12. Número 29. Göttingen 1982.

Instrumentos musicais

98. «O Zé Pereira» - Cultura e Arte / O Comércio do Porto. Porto. 10.I.1961.
99. «Alguns aspectos etno-musicais do Baixo Alentejo; I O Tamborileiro Alentejano; II A viola Campaniça„ -Cultura e Arte / O Comércio do Porto. Porto. 23.V.1961 e 13.VI.1961, respectivamente.
100. «A Sanfona, um instrumento esquecido» - Cultura e Arte / 0 Comércio do Porto Porto. 12.1X. 1961.
101. «Instrumental Popular Português» - Colóquio, 24, Lisboa, 1963, 26-30, 9 figs.
102. «Violas Portuguesas»-Actas do V Colóquio Internacional de Estudos Luso-Brasileiros I, Coimbra, 1965, 375-392.
103. Instrumentos musicais populares portugueses - Catálogo da exposição na F.C.G., Lisboa 1982, 16 pp.
104. «Em busca de um mundo perdido» , Arte Musical (número especial) Lisboa, 1982.
105. Instrumentos Musicais Populares Portagueses -Fundução Calouste Gulbenkian, Lisboa 1966, 239 p. + 22 p. 439 fig., 2ª ed. 1982, 526 pp., 410 figs. 53 ex. musicais, Lisboa, 1982.
106. Instrumentos Musicais Populares dos Açores, Lisboa (FCG) 1986. 70 pp., 52 figs.
107. «Instrumentos musicais populares portugueses»-Atlantis vol. 7, nº 3, Lisboa, 1987.

Jogos

108. «O Jogo da Pela na Póvoa da Atalaia» -Trabalhos de Antropologia e Etnologia. XIII - 3-4, Porto, 1952, 249-264.
109. «Os 'bombos' de Fafe e outras diversões de caracter periodico» - Trabalhos de Antropologia e Etnologia, XIII, 34, Porto, 1952.
110. «O 'Jeu de Toupiole' em Portugal»-Trabalhos de Antropologia e Etnologia XV, 1-2, Porto, 1954, 111-115.
111. «Designação dos Dedos da Mão» - Douro Litoral, 6ª Série, IX, Porto. 1955. 9-27
112. «Alguns Jogos Populares Poveiros» - Douro Litoral, 7ª Série, I-II, Porto 1956, 63-67.
113. «0 Jogo do Pau em Portugal» - Geographica, VIII-32. Lisboa 1972, 52-75, 10 fig.
114. «Stockspiel in Basto» Institut für den Wissenschafilichen Film. Sektion Ethnologie. Série 9. Número 38. Göttingen 1979.

Museologia e Exposições

115. Rosa Ramalho, Árvore, Porto.
116. «Exposição de Instrumentos Musicais Populares Portugueses na Fundação Calouste Gulbenkian» -Revista de Etnografia, 7, Porto, 1965, 208-212, 3 fig.
117. «Ainda a propósito da Exposição dos Instrumentos Musicais Populares Portugueses na Fundação Calouslte Gulbenkian -- Revista de Etnografia, 12. Porto 1966, 499-500.
118. «Introdução» ao Catálogo da Exposição «Arte do Índio Brasileiro», na Sociedade Nacional de Belas-Artes. promovida pela Fundação Calouste Gulbenkian. Lisboa, Outubro 1966, 11 pp. (Em col. com Jorge Dias)
119. «A Exposição da Arte do Índio do Brasil, -Colóquio 41. Lisboa, 1966, 57-63, 7 fig.
120. «Exposição de alfaia agrícola portuguesa do Museu de Etnologia do Ultramar"-Revista de Etnologia, n.• 26, Porto, 1969.
121. «Museus e Colecções de Etnografia de Angola.-Garcia da Orta, 19, Lisboa, 1971.
122. Apontamentos sobre Museologia - Museus Etnológicos, Lisboa 1971, 112 pp.
123. «Museu de Etnologia do Ultramar» -Geographica, Rev. da Sociedade de Geografia de Lisboa, 29, Lisboa 1972, pp. 2-23, 16 figuras.
124. «Povos e Culturas-Museu de Etnologia do Ultramar» - Tecnologia Educativa (IMAVE). 63, 1972. 15- 18
125. Povos e Culturas (Introdução). Museu de Etnologia do Ultramar. Lisboa (JIU) 1972
126. «Museu de Etnologia'' - Além-Mar, 320. Lisboa, 1985, 19-22
127. Cultura e Tradição - Guiné-Bissau - Catálogo da exposição na Árvore, Porto, 1984 (Em colaboração com António Carreira e Benjamim Pereira)
128. 0 Pão e o Bragal, Paredes de Coura, 1985, 36 pp., 12 figs. (Em col. com Benjamim Pereira)
129. «O Índio brasileiro nos Museus Portugueses» - Índios da Amazónia, Catálogo da exposicão no Museu de Etnologia. Lisboa (IICT), 1986, 11-42.
130. Instrumentos musicais populares portugueses. Catálogo da exposição no Centro Regional de Artes Tradicionais, Porto. 1986. 32 pp.
131. «Olaria portuguesa decorada», Design 87-Design artesanal, Vila Nova de Cerveira. Arca, 1987, 7- 12

Escultura africana

132. Escultura africana no Museu de Etnologia do Ultramar - 1968 (Em colaboração com Margot Dias, Luis Polanah, António Carreira, Fernando Galhano, Fernando Ouintino e Benjamim Pereira). Introdução (e legendas do Brasil)
133. Escultura Africana-Catálogo da exposição no Centro de Arte Contemporanea do Porto, Porto (SEIC) 1977, 42 pp.. 16 figs. (Em col. com Benjamim Pereira).
134. «L'Art African au Portugal» -Antologia di Belle Arti, V- 17 / 18, Torino 1981, 2544, 29 figs.
135. Escultura Africana - Catálogo da exposição no Centro de Arte Moderna Lisboa (FCG), 1985. 42 pp. 72 figs. (Em col. com Benjamim Pereira)
136. «Escultura Africana em Portugal» - Escultura Africana em Portugal, Catálogo da exposição no Museu de Etnologia, Lisboa (IICT), 1985, 11-44.

Literatura oral

137. «Adivinha» -Grande Dicionário de Literatura Portuguesa, I, 1977.
138. «Adozinda»-Idem.
139. «Santo António na tradição oral» - Idem.
140. «Os 'arquétipos' na literatura oral» - Idem.
141. «Álvaro Rodrigues de Azevedo» - Idem.
142. «Braga, Teófilo e a Etnologia» - Idem, II vol. (s / d).
143. «Prefácio» a ContosPopulares Portugueses de Adolfo Coelho (D. Quixote) Lisboa, 1985, 1340.

Diversos

144. «Congresso Intemacional de Etnografia de Arnhem» - Trabalhos de Antropologia e Etnologia, XV, Porto 1954
145. «António Santos Graça», Trabalhos de Antropologia e Etnologia, XV, 34, Porto, 1957.
146. « A Etnografia no XXIV Congresso Luso-Espanhol para o Progresso das Ciências.. - Cultura e Arte / O Comércio do Porto. Porto, 23.XII.1958.
147. «Amold Van Gennep», Trabalhos de Antropologia e Etnologia, XV, 34, Porto, 1957.
148. «O III Documentário dos Usos, Costumes e Tradições Poveiras». Trabalhos de Antropologia e Etnologia, XV, 34, Porto, 1957.
149. «Relatório da Secção I - A Terra e o Homem-Tomo 5 - Cruzamentos e Contactos de Civilização» - Actas do III Colóquio Internacional de Estudos Luso-Brasileiros, I Lisboa, 1959, 189-201.
150. «Vasco Nogueira de Oliveira, Pequena correspondência inédita de J. Leite de Vasconcelos». Cultura e Arte / O Comércio do Porto. Porto, 10.II.1959 e 26.V.1959.
151. «D. Sebastião Pessanha» - Revista de Etnografia, VII, 1, Porto, 1966.
152. Vinte Anos de Investigação Etnológica no Centro de Estudos de Etnologia Peninsular - Lisboa (IAC) 1968, 77 pp.
153. «Professor Jorge Dias..-International Secretariat for Research on the History of Agricultural Implements, Newsletter, 24 Lyngby. 1973.
154. «António Jorge Dias» (Biography)-In Memoriam António Jorge Dias I, Lisboa 1974.
155. Colaboração na Focus-Enciclopédia Internacional «(Etnografia)».

© 2001 Domingos Morais & Alfarrábio