José Leon Machado

Literatura


QUERO CORTEJAR O SOL

de José Leon Machado

Quero Cortejar o Sol é o diário de um jovem que frequentou o Seminário entre 1981 e 1986. Além de ser um testemunho pessoal e íntimo da sua própria vida, é também um retrato da época, do ponto de vista social, cultural, religioso e político. Nele perpassam, além do dia a dia do autor como estudante de Teologia, a sociedade portuguesa e muitas das personalidades públicas que a marcaram. A obra apresenta-se como um percurso eclesial, que inicialmente entusiasma o autor, e que paulatinamente vai descambando numa grande desilusão que termina com a sua saída do Seminário. Como ele próprio diz na introdução, a determinada altura do percurso o jovem seminarista acordou «para as realidades nem sempre celestiais, nem sempre de amor e caridade que lia e ouvia tantas vezes e via tão pouco na Igreja que se dizia seguidora de Cristo. Atravessou-o um grande pessimismo. O Seminário, a Igreja, não eram bem aquilo em que ele tinha acreditado, um lugar de concórdia, um paraíso de paz e harmonia. As intrigas, as invejas e as brutalidades entre colegas, o mau exemplo dos padres, o egoísmo de cada um decepcionaram-no».

capa de 'Quero Cortejar o Sol' Título: Quero Cortejar o Sol
Autor: José Leon Machado
Género: diário
2ª edição revista
Edições Vercial, 2010-2012
N.º de páginas: 244
ISBN: 978-989-8392-11-4
Suporte: papel e ebook



COMPRAR

Para adquirir esta obra em formato digital, basta enviar-nos uma mensagem por email especificando o título e o autor.

Para adquirir esta obra em papel, deverá contactar a Amazon.




Recensões críticas e opiniões sobre a obra:

Achei o diário de muito valor, quer como texto literário, quer como documento biográfico e histórico. Para além da dimensão catártica que pudesse ter, ficou-me sobretudo o relato clarividente de um tempo e de um ambiente em que talvez tivesse precisado de ouvir melhor essa voz para acordar de tanto mau juízo, preconceito e presunção. Julgo que, como seminarista, passei ao lado de algumas coisas, que todos passámos ao lado de algumas coisas. Nem sequer nos apercebíamos dos dilemas e angústias que os colegas viviam e que um sorriso nosso teria aliviado. Cada um debatia-se com os seus próprios conflitos e dúvidas. De uma forma ou de outra, o tempo e as circunstâncias fizeram-nos crescer, caminhar, descobrir. E é bom ver a intensidade e a lucidez com que isso aconteceu. Fico sempre feliz por ver um homem livre - mormente quando ele próprio foi construindo, com denodo e ousadia, a sua liberdade.

Jorge Tinoco, Fevereiro de 2010

Admiro a forma como o autor de Quero Cortejar o Sol se despe da sua intimidade e nos revela os sonhos e desejos mais caros da sua adolescência e juventude. Acompanhei com muito interesse, ao longo de todo o livro, as suas lutas e dificuldades, as interrogações, alegrias e decepções na sua busca por um ideal que pensava ser o seu. Admiro a forma como revela, sem pudor, as suas ingenuidades e o desabrochar da sua sexualidade. Não se inibe de descobrir os sentimentos que experimenta perante a reciprocidade dos outros. Não se coíbe de exprimir o que lhe vai na alma por amar. Não teme perder a imagem que porventura terão dele ao pôr a nu as suas necessidades mais íntimas. E quando não se descobre uno com o caminho que antes considerava seu, enfrenta com frontalidade e coragem a necessidade de ser sincero. Um livro a ser lido.

Maria Antonieta Costa, janeiro de 2015

Voltar ao catálogo

Contactos | © 2013-2016 José Leon Machado